O PRAZER DE SER MULHER AOS 50…

 photo piratas 1.jpg

Especial para a Bruxa Magaly

SER MULHER AOS 50… É bom, é alucinante!

Aos 40, no dia do meu aniversário, a minha filha -uma delas- me perguntou:

– E então, a que conclusão você chegou sobre o significado da Vida?

E eu respondi:

– A Vida é uma grande brincadeira!

Hoje ainda penso isso, e com uma certeza ainda maior. Fundamentada na minha experiencia e com mais 10 anos de compreensões.

O continuo pensando porque realmente é uma brincadeira o que “Ela” (a Vida) faz com nós.

A gente se estressa, se preocupa, se desespera com problemas e coisas que surgem, mas que depois desaprecem e são substituídos por outros que no momento parecem muito importantes, e assim o ciclo recomeça.

Mas é nós que deixamos que isso aconteça dessa forma, por não perceber que podemos dar um passo atrás e contemplar calmamente o nosso entorno, solucionando as coisas sem desespero, sem estresses e sem problemas.

Viver é isso: estar presente em cada momento, em cada situação que se apresenta, mas sem se deixar envolver por esses momentos, -principalmente quando são complicados- e quando não o são, saboreá-los, sabendo que ao igual que os problemas eles também ficarão no passado.

Hoje aos 50 posso ver claramente a “brincadeira da Vida”, e desfrutar todos os instantes que ela me proporciona, sabendo que assim como quando eramos criança, depois deste “jogo” outro mais interessante ou mais complicado vai surgir.

Mas o assunto sobre o qual queria me expressar hoje é a menopausa; as mulheres pouco falam sobre este acontecimento em suas vidas, e imagino (pelo que pude “tirar” de algumas) que o motivo pelo qual isto acontece é porque este assunto não é “cool”, não é “in”, não é bonito porque está intimamente relacionado com a velhice.

 photo bruxa velha.jpg

 

E velhice na sociedade na qual vivemos é feio, pois se relaciona com rugas, cabelos brancos, corpo flácido, e acúmulo de gordura em pontos estratégicos de nosso corpo; partes que deveriam ser belas curvas onde se perdessem os olhares de nosso amado, e despertassem a inveja de nossas amigas.

Rugas… Que combatemos com cremes e uma enorme parafernália de desencantos, ao contrário de ver nelas as marcas do tempo que já vivemos e que deveríamos abençoar, pois cada uma delas representa uma das brincadeiras que a Vida nos convidou para desfrutar.

Cabelos brancos… Que confirmam o quanto temos amado e nos preocupado com aqueles que nos acompanharam em nossa jornada existencial.

Corpo flácido… Que confirma o cansaço depois do longo caminho que percorremos, depois de 40 ou 50 anos de tensões, lutas e batalhas; corpo que hoje tem o direito e a necessidade de mais descanso e menos exercício físico.

 photo Eu e o Urso2.jpgAcúmulo de gordura… Que deveríamos ver como o símbolo de nossa liberdade de usufruir dos prazeres da mesa, e não como instrumento de tortura, nos escravizando ao desejo insano de nos arrancar partes do corpo, que estão ali como fruto de belos momentos compartidos com os que nos rodeiam e com nós mesmas.

Aos 50 quase todas nós estamos atravessando este processo natural chamado menopausa.

Ele vem com outros transtornos: alteração frequente do humor, os “benditos” calores, a pouca produção dos fluidos vaginais, sonolência frequente e fora de hora, cansaço físico desmedido.

Estive o último ano e 4 meses, -desde que começou a minha menopausa- tentando descobrir as causas destes incômodos, para poder me livrar deles.

Por um lado minha mente consciente me dizia que esta tudo bem envelhecer, mas por outro estava fazendo mentalização para me livrar das rugas e dos transtornos da menopausa.

Das rugas consegui desaparecer com um pouco mais de 80% delas (sem cremes), mas não dos calores e os outros sintomas.

Sempre pensando que era um contra-senso as duas coisas, e que os sintomas não desapareciam, até que me dei conta de duas coisas, a primeira eu já sabia obviamente:

1ª – A menopausa é um processo natural, que faz parte de envelhecer, e não somente não posso lutar contra isso, como não o desejo, pois me sinto bem comigo mesma, e com o que a minha idade representa em mim.

2ª – Que o que eu desejo (e que todas nós podemos obter) é me revitalizar e não rejuvenescer.

Quando percebi isto, os sintomas, os incômodos foram desaparecendo, e os calores que no meu caso é o que mais me incomodava, começaram a diminuir de intensidade e quantidade, tornando-se quase inexistentes.

Assim descobri que era somente uma palavrinha equivocada em minha mente, o que estava perturbando meu prazer de “Ser Mulher aos 50”.

A Vida não é uma graaaaaaaaaande brincadeira????????

Deixe seu comentário